VGI Agentes

Bruno Torres
Grupo(s): Atores

Bruno Torres

Idiomas: Português • Inglês • Espanhol • Francês
Faixa Etária: 30 a 50 anos
Gênero: Masculino
Altura: 1.74m

Release

Bruno Torres é ator, cineasta, músico, fotógrafo e ambientalista, tendo se tornado no ano de 2020 o primeiro ator brasileiro a compensar o carbono de todas as suas atividades pessoais e profissionais (Ecooar + Carbon Free + Sustainable Carbon).
Atuou em mais de trinta produções entre curtas, longas, novelas e séries.
Conquistou por suas atuações prêmios notórios em festivais nacionais de cinema.
Foi indicado ao Grande Prêmio do Cinema Brasileiro na categoria de melhor ator coadjuvante no ano de 2014, por seu trabalho no longa metragem “Somos Tão Jovens”, de Antônio Carlos da Fontoura.
Pelo longa metragem “O Homem Mau Dorme Bem”, conquistou os prêmios de melhor ator coadjuvante no 42º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro e no XIV CINE – PE, dois dos mais importantes festivais de cinema do país.
Dirige cinema desde o ano de 2004, tendo recebido por seus curtas metragens mais de sessenta prêmios em festivais nacionais e internacionais.
Sócio da Academia Brasileira de Cinema há oito anos, Bruno Torres em 2016 foi selecionado por esta entidade para representá-la na comissão de seleção do filme representante brasileiro ao Prêmio Goya.
Em 2020 lançará seu primeiro longa metragem como diretor “A Espera de Liz”, trabalho que também assina o roteiro e atua como antagonista.
Em 2021 estará em cartaz comercialmente com três filmes recém filmados: “Infinitas Terras”, de Cauê Brandão, “Campus Santo”, de Márcio Curi e “O Homem Cordial”, de Iberê Carvalho.

 

FORMAÇÃO ARTÍSTICA

– 1997/1998 – Interpretação para Cinema (Faculdade de Teatro Martins Pena), com Mona Lazar;
– 1999 até 2003 – Integrante da Cia dos Sonhos, dirigida por Hugo Rodas;
– 2003 até 2005 – Integrante da Cia Gabinete 3, dirigida por Adriano e Fernando Guimarães;
– 2003 – Oficina de Atores da Rede Globo – Ministrada por Tônio Carvalho, Ana Kfoury e outros;
– 2003 – Oficina de Interpretação e Laboratório – Ministrado por Sérgio Penna;
– 2002 – Workshop A Idéia do Ator – Ministrado por Sérgio Penna, Lais Bodanzky e Luis Bolognesi;
– 2001 – Workshop A Câmera e o Ator: A Relação com o Diretor – Ministrado por Walter Lima Jr;
– 2000 – Curso de Preparação Vocal – Ministrado por Telma Costa;
– 2000 – Curso de Interpretação para TV – Ministrado por Tônio Carvalho;
– 2000 – Curso de Memorização e Leitura Dinâmica – Ministrado por James Bauer;
– 1999 – Workshop Auto-Estima e Valorização Cênica – Ministrado por Juan Carlos Ferriolo;

Histórico

TELEVISÃO

– 2015 – “Oxigênio” – Dir. Pedro Zimmerman
– 2014 – “Dupla Identidade” – Autor: Glória Perez – Personagem Caco
– 2012 – “Insensato Coração” – Dir. Gilberto Braga – Personagem Valdir
– 2004 – “Celebridades” – Autor: Gilberto Braga – participação
– 2003 – “Mulheres Apaixonadas” – Autor: Manoel Carlos – elenco de apoio

 

LONGAS METRAGENS

– 2020 – “Infinitas Terras” – Dir. Cauê Brandão
– 2019 – “A Espera de Liz”- Dir. Bruno Torres
– 2019 – “Bio” – de Carlos Gerbase
– 2019 – “Campus Santo” – Dir. Márcio Curi
– 2019 – “O Homem Cordial”, de Iberê Carvalho
– 2018 – “Mãe” – Dir. Adriana Vasconcelos
– 2016 – “Entre Idas e Vindas” – Dir. José Eduardo Belmonte
– 2015 – “Entrando Numa Roubada” – Dir. André Moraes
– 2013 – “Somos Tão Jovens” – Dir. Antônio Carlos da Fontoura
– 2009 – “O Homem Mau Dorme Bem” – Dir. Geraldo Moraes
– 2003 – “Sal de Prata”- Dir. Carlos Gerbase
– 2001 – “As Vidas de Maria” – Dir. Renato Barbieri
– 1997 – “No Coração dos Deuses” – Dir. Geraldo Moraes

 

CURTAS METRAGENS

– 2012 – “Sagrado Coração” – Dir. Cauê Brandão
– 2011 – “Encontro Das Águas” – Dir. Bruno Torres e Evaldo Mocarzel
– 2011 – “Hereditário” –  Dir. Johil de Carvalho e Sérgio Lacerda
– 2009 – “A Noite Por Testemunha” – Dir. Bruno Torres
– 2006 – “Sob o Encanto da Luz” – Dir. Dirceu Lustosa
– 2004 – “O Último Raio de Sol” – Dir. Bruno Torres
– 2000 – “Suicídio Cidadão” – Dir. Iberê Carvalho

 

TEATRO

– 2008 – “Resta Pouco a Dizer” – Dir. Adriano e Fernando Guimarães
– 2004 – “Zé” – Dir. Adriano e Fernando Guimarães
– 2004/2003 – “Não Ficamos Muito Tempo Juntos” – Dir. Adriano e Fernando Guimarães
– 2001/2000 – “Album Wilde” – Dir. Hugo Rodas
– 2001/1999 – “Arlequim Servidor de Dois Patrões” – Dir. Hugo Rodas

Aptidões

■ Bateria, Percussão e Hang Drum
■ Canto Popular e Lírico.

Prêmios

Indicado ao Grande Prêmio do Cinema Brasileiro na categoria Melhor Ator Coadjuvante pelo longa metragem "Somos Tão Jovens", de Antônio Carlos da Fontoura.
Prêmio de Melhor ator Coadjuvante no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro pelo longa metragem "O Homem Mau Dorme Bem", de Geraldo Moraes.
Prêmio de Melhor ator Coadjuvante no XIV CINE-PE (Festival de cinema do Recife) pelo longa metragem "O Homem Mau Dorme Bem", de Geraldo Moraes.
Prêmio de Melhor ator concedido pela Câmara Legislativa no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro pelo curta metragem "Sagrado Coração", de Cauê Brandão.
Prêmio de Melhor ator no festival Curta Canoa pelo curta metragem "Hereditário", de Johil de Carvalho e Sérgio Lace

Elementor #603

Bruno Torres

Altura: 1.74m
Faixa etária:
Idiomas: Português • Inglês • Espanhol • Francês

Release

Bruno Torres é ator, cineasta, músico, fotógrafo e ambientalista, tendo se tornado no ano de 2020 o primeiro ator brasileiro a compensar o carbono de todas as suas atividades pessoais e profissionais (Ecooar + Carbon Free + Sustainable Carbon).
Atuou em mais de trinta produções entre curtas, longas, novelas e séries.
Conquistou por suas atuações prêmios notórios em festivais nacionais de cinema.
Foi indicado ao Grande Prêmio do Cinema Brasileiro na categoria de melhor ator coadjuvante no ano de 2014, por seu trabalho no longa metragem “Somos Tão Jovens”, de Antônio Carlos da Fontoura.
Pelo longa metragem “O Homem Mau Dorme Bem”, conquistou os prêmios de melhor ator coadjuvante no 42º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro e no XIV CINE – PE, dois dos mais importantes festivais de cinema do país.
Dirige cinema desde o ano de 2004, tendo recebido por seus curtas metragens mais de sessenta prêmios em festivais nacionais e internacionais.
Sócio da Academia Brasileira de Cinema há oito anos, Bruno Torres em 2016 foi selecionado por esta entidade para representá-la na comissão de seleção do filme representante brasileiro ao Prêmio Goya.
Em 2020 lançará seu primeiro longa metragem como diretor “A Espera de Liz”, trabalho que também assina o roteiro e atua como antagonista.
Em 2021 estará em cartaz comercialmente com três filmes recém filmados: “Infinitas Terras”, de Cauê Brandão, “Campus Santo”, de Márcio Curi e “O Homem Cordial”, de Iberê Carvalho.

 

FORMAÇÃO ARTÍSTICA

– 1997/1998 – Interpretação para Cinema (Faculdade de Teatro Martins Pena), com Mona Lazar;
– 1999 até 2003 – Integrante da Cia dos Sonhos, dirigida por Hugo Rodas;
– 2003 até 2005 – Integrante da Cia Gabinete 3, dirigida por Adriano e Fernando Guimarães;
– 2003 – Oficina de Atores da Rede Globo – Ministrada por Tônio Carvalho, Ana Kfoury e outros;
– 2003 – Oficina de Interpretação e Laboratório – Ministrado por Sérgio Penna;
– 2002 – Workshop A Idéia do Ator – Ministrado por Sérgio Penna, Lais Bodanzky e Luis Bolognesi;
– 2001 – Workshop A Câmera e o Ator: A Relação com o Diretor – Ministrado por Walter Lima Jr;
– 2000 – Curso de Preparação Vocal – Ministrado por Telma Costa;
– 2000 – Curso de Interpretação para TV – Ministrado por Tônio Carvalho;
– 2000 – Curso de Memorização e Leitura Dinâmica – Ministrado por James Bauer;
– 1999 – Workshop Auto-Estima e Valorização Cênica – Ministrado por Juan Carlos Ferriolo;

Histórico

TELEVISÃO

– 2015 – “Oxigênio” – Dir. Pedro Zimmerman
– 2014 – “Dupla Identidade” – Autor: Glória Perez – Personagem Caco
– 2012 – “Insensato Coração” – Dir. Gilberto Braga – Personagem Valdir
– 2004 – “Celebridades” – Autor: Gilberto Braga – participação
– 2003 – “Mulheres Apaixonadas” – Autor: Manoel Carlos – elenco de apoio

 

LONGAS METRAGENS

– 2020 – “Infinitas Terras” – Dir. Cauê Brandão
– 2019 – “A Espera de Liz”- Dir. Bruno Torres
– 2019 – “Bio” – de Carlos Gerbase
– 2019 – “Campus Santo” – Dir. Márcio Curi
– 2019 – “O Homem Cordial”, de Iberê Carvalho
– 2018 – “Mãe” – Dir. Adriana Vasconcelos
– 2016 – “Entre Idas e Vindas” – Dir. José Eduardo Belmonte
– 2015 – “Entrando Numa Roubada” – Dir. André Moraes
– 2013 – “Somos Tão Jovens” – Dir. Antônio Carlos da Fontoura
– 2009 – “O Homem Mau Dorme Bem” – Dir. Geraldo Moraes
– 2003 – “Sal de Prata”- Dir. Carlos Gerbase
– 2001 – “As Vidas de Maria” – Dir. Renato Barbieri
– 1997 – “No Coração dos Deuses” – Dir. Geraldo Moraes

 

CURTAS METRAGENS

– 2012 – “Sagrado Coração” – Dir. Cauê Brandão
– 2011 – “Encontro Das Águas” – Dir. Bruno Torres e Evaldo Mocarzel
– 2011 – “Hereditário” –  Dir. Johil de Carvalho e Sérgio Lacerda
– 2009 – “A Noite Por Testemunha” – Dir. Bruno Torres
– 2006 – “Sob o Encanto da Luz” – Dir. Dirceu Lustosa
– 2004 – “O Último Raio de Sol” – Dir. Bruno Torres
– 2000 – “Suicídio Cidadão” – Dir. Iberê Carvalho

 

TEATRO

– 2008 – “Resta Pouco a Dizer” – Dir. Adriano e Fernando Guimarães
– 2004 – “Zé” – Dir. Adriano e Fernando Guimarães
– 2004/2003 – “Não Ficamos Muito Tempo Juntos” – Dir. Adriano e Fernando Guimarães
– 2001/2000 – “Album Wilde” – Dir. Hugo Rodas
– 2001/1999 – “Arlequim Servidor de Dois Patrões” – Dir. Hugo Rodas

Aptidões:

> Bateria, Percussão e Hang Drum

> Canto Popular e Lírico.
Prêmios:

• Indicado ao Grande Prêmio do Cinema Brasileiro na categoria Melhor Ator Coadjuvante pelo longa metragem "Somos Tão Jovens", de Antônio Carlos da Fontoura.

• Prêmio de Melhor ator Coadjuvante no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro pelo longa metragem "O Homem Mau Dorme Bem", de Geraldo Moraes.

• Prêmio de Melhor ator Coadjuvante no XIV CINE-PE (Festival de cinema do Recife) pelo longa metragem "O Homem Mau Dorme Bem", de Geraldo Moraes.

• Prêmio de Melhor ator concedido pela Câmara Legislativa no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro pelo curta metragem "Sagrado Coração", de Cauê Brandão.

• Prêmio de Melhor ator no festival Curta Canoa pelo curta metragem "Hereditário", de Johil de Carvalho e Sérgio Lace