Juliane Arguello
Grupo(s): Atores

Juliane Arguello

Idiomas: Português - Fluente / Inglês - Intermediário / Alemão - Básico
Faixa Etária: 30 a 40 anos
Gênero: Feminino
Altura: 1.71m

Release

Natural de Campo Grande – MS, Juliane Arguello começou a fazer teatro aos 11 anos. Atriz formada pela escola de atores GLOBE-SP. Bacharel em Publicidade e Propaganda pela PUC-SP. Técnico em Fotografia pela Escola FOCUS e aprendiz do curso “Arte & Educação”, ministrado pelo diretor Juliano Barone. Lecionou aulas de teatro para crianças no Colégio Objetivo por quatro anos.

 

Atualmente cursa a Escola de Arte Dramática (EAD/ECA/USP) e o Técnico em Direção Cinematográfica pela Academia Internacional de Cinema (AIC). É co-fundadora e atriz do “Núcleo Sem Querer de Tentativas Teatrais”.

 

Aos treze anos ganhou o prêmio de melhor atriz na peça “Faz de conta que é assim”, com direção de Marcos Alexandre de Melo, no concurso nacional “Arte e Criatividade” da Rede Pitágoras em MG. Em 2017 protagonizou “Fuente Ovejuna” com direção de Juliano Barone, peça indicada ao Prêmio Shell e ao Prêmio FEMSA. Também atuou em outros espetáculos sob direção de: Marco Antônio Pâmio, José Fernando Peixoto de Azevedo, Tarina Quelho, Isabel Setti, Silvana Garcia, Mônica Montenegro, Bete Dorgam, André Abujamra, Miguel Hernandez, Ramiro Silveira, Kleber Mazziero, entre outros.

Entre seus trabalhos mais relevantes no audiovisual estão a série “Toda Forma de Amor”, com direção de Bruno Barreto; o longa-metragem “Era o Hotel Cambridge”, com direção de Eliane Caffé; e o curta-metragem “Último Segundo”, realizado pela O2 Filmes, com direção de Dainara Toffoli.

 

Estudou a linguagem cinematográfica com Tomás Rezende, Fernando Leal, Vanessa Prieto, Paloma Riani, Jandiz Estrada, Adriana Pires, Luciana Canton; e diversos cursos complementares com xs profissionais: Celso Frateschi, Ana Paula Dias, Leonardo Bertholini, Fabricio Licursi, Rita Grillo, Joca Andreazza, Erick Gallani, Guryva Portela, William Nadylam, Daniela Biancardi, Vivien Buckup, Bruna Longo, Érica Montanheiro e John Mowat.

 

Como realizadora audiovisual, trabalha com assistência de direção e está em processo do seu segundo curta-metragem como roteirista e diretora.

 

 

Histórico

TELEVISÃO

 

2019 – “Toda Forma de Amor” – direção: Bruno Barreto (Canal Brasil)

 

 

CINEMA

 

Longa-Metragem

2016 – “Era o Hotel Cambridge” – direção: Eliane Caffé

 

Curta-Metragem

2019 – “Longe” – direção: Mariana Stolze
2017 – “Somos Todos Um Coração” – direção: Jonathan Natalício

2014 – “Último Segundo” – direção: Dainara Toffoli

 

 

TEATRO

 

2020 – “Ensaio para as tempestades” – direção: José Fernando Peixoto de Azevedo

2020 – “Isto não é uma cena de amor” – direção: Tarina Quelho
2019 – “Matéria de Poesia – No quintal de Manoel de Barros” – direção: Isabel Setti

2019 – “O Torcicologologista” – direção: Silvana Garcia e Mônica Montenegro

2019 – “Conto de Inverno” – direção: Juliano Barone

2018 – “Cobra na Geladeira” – direção: Marco Antônio Pâmio

2018 – “Os Três Mosqueteiros” – direção: Juliano Barone

2018 – “O Beco dos Gatos” – direção: Juliano Barone
2018 – “João e Maria?” – direção: Juliano Barone
2018 – “A Nova Roupa do Rei” – direção: Juliano Barone

2017 – “Chegamos” – direção: Bete Dorgam

2017/2018//2019/2021 – “Fuente Ovejuna” – direção: Juliano Barone

2016 – “O Impostor Geral” – direção: Juliano Barone

2014 – “A história do comunismo contada aos doentes mentais” – direção: André Abujamra e Miguel Hernandez
2014 – “Hamlet” – direção: Miguel Hernandez
2013 – “Aladdin e o Gênio Malucão” – direção: J.C. Rocco
2012 – “Uma peça por outra | Ramiro Silveira
2012 – “Os Sete Gatinhos” – direção: Miguel Hernandez
2011 – “Sonho de uma noite de verão” – direção: Ramiro Silveira
2011 – “Cristo Proclamado” – direção: Miguel Hernandez

2010 – “A Gaivota” – direção: Miguel Hernandez
2009 – “Sinfonia” – direção: Kleber Mazziero
2003 – “Faz de conta que é assim” – Marcos Alexandre de Melo

2002 – “Adolescentes” – direção: Marcos Alexandre de Melo
2002 – “Engano” – direção: Marcos Alexandre de Melo

Aptidões

■ Esportes: crossfit, yoga e ciclismo; Arte marcial: kung fu e boxe; Dança: ballet contemporâneo, jazz e sapateado; Canto popular (contralto) ; Instrumento musical: ukulele e violão.

Prêmios

2021 - Indicada ao prêmio de Melhor Direção pelo curta-metragem “Santonino" no BIMIFF (Brazil International Monthly Independent Film Festival)
2021 - Finalista no prêmio Melhor Direção pelo curta-metragem “Santonino" no Best Director Award em Londres
2021 - Prêmio de Melhor Roteiro Ficção (Jurí Popular) pelo curta-metragem “Santonino” no Festival Rota
2003 - Prêmio de Melhor atriz no “Arte e Criatividade” (Rede Pitágoras - MG) com a peça “Faz de conta que é assim”

Locuções

Elementor #603

Juliane Arguello

Altura: 1.71m
Faixa etária:
Idiomas: Português - Fluente • Inglês - Intermediário • Alemão - Básico

Release

Natural de Campo Grande – MS, Juliane Arguello começou a fazer teatro aos 11 anos. Atriz formada pela escola de atores GLOBE-SP. Bacharel em Publicidade e Propaganda pela PUC-SP. Técnico em Fotografia pela Escola FOCUS e aprendiz do curso “Arte & Educação”, ministrado pelo diretor Juliano Barone. Lecionou aulas de teatro para crianças no Colégio Objetivo por quatro anos.

 

Atualmente cursa a Escola de Arte Dramática (EAD/ECA/USP) e o Técnico em Direção Cinematográfica pela Academia Internacional de Cinema (AIC). É co-fundadora e atriz do “Núcleo Sem Querer de Tentativas Teatrais”.

 

Aos treze anos ganhou o prêmio de melhor atriz na peça “Faz de conta que é assim”, com direção de Marcos Alexandre de Melo, no concurso nacional “Arte e Criatividade” da Rede Pitágoras em MG. Em 2017 protagonizou “Fuente Ovejuna” com direção de Juliano Barone, peça indicada ao Prêmio Shell e ao Prêmio FEMSA. Também atuou em outros espetáculos sob direção de: Marco Antônio Pâmio, José Fernando Peixoto de Azevedo, Tarina Quelho, Isabel Setti, Silvana Garcia, Mônica Montenegro, Bete Dorgam, André Abujamra, Miguel Hernandez, Ramiro Silveira, Kleber Mazziero, entre outros.

Entre seus trabalhos mais relevantes no audiovisual estão a série “Toda Forma de Amor”, com direção de Bruno Barreto; o longa-metragem “Era o Hotel Cambridge”, com direção de Eliane Caffé; e o curta-metragem “Último Segundo”, realizado pela O2 Filmes, com direção de Dainara Toffoli.

 

Estudou a linguagem cinematográfica com Tomás Rezende, Fernando Leal, Vanessa Prieto, Paloma Riani, Jandiz Estrada, Adriana Pires, Luciana Canton; e diversos cursos complementares com xs profissionais: Celso Frateschi, Ana Paula Dias, Leonardo Bertholini, Fabricio Licursi, Rita Grillo, Joca Andreazza, Erick Gallani, Guryva Portela, William Nadylam, Daniela Biancardi, Vivien Buckup, Bruna Longo, Érica Montanheiro e John Mowat.

 

Como realizadora audiovisual, trabalha com assistência de direção e está em processo do seu segundo curta-metragem como roteirista e diretora.

 

 

Histórico

TELEVISÃO

 

2019 – “Toda Forma de Amor” – direção: Bruno Barreto (Canal Brasil)

 

 

CINEMA

 

Longa-Metragem

2016 – “Era o Hotel Cambridge” – direção: Eliane Caffé

 

Curta-Metragem

2019 – “Longe” – direção: Mariana Stolze
2017 – “Somos Todos Um Coração” – direção: Jonathan Natalício

2014 – “Último Segundo” – direção: Dainara Toffoli

 

 

TEATRO

 

2020 – “Ensaio para as tempestades” – direção: José Fernando Peixoto de Azevedo

2020 – “Isto não é uma cena de amor” – direção: Tarina Quelho
2019 – “Matéria de Poesia – No quintal de Manoel de Barros” – direção: Isabel Setti

2019 – “O Torcicologologista” – direção: Silvana Garcia e Mônica Montenegro

2019 – “Conto de Inverno” – direção: Juliano Barone

2018 – “Cobra na Geladeira” – direção: Marco Antônio Pâmio

2018 – “Os Três Mosqueteiros” – direção: Juliano Barone

2018 – “O Beco dos Gatos” – direção: Juliano Barone
2018 – “João e Maria?” – direção: Juliano Barone
2018 – “A Nova Roupa do Rei” – direção: Juliano Barone

2017 – “Chegamos” – direção: Bete Dorgam

2017/2018//2019/2021 – “Fuente Ovejuna” – direção: Juliano Barone

2016 – “O Impostor Geral” – direção: Juliano Barone

2014 – “A história do comunismo contada aos doentes mentais” – direção: André Abujamra e Miguel Hernandez
2014 – “Hamlet” – direção: Miguel Hernandez
2013 – “Aladdin e o Gênio Malucão” – direção: J.C. Rocco
2012 – “Uma peça por outra | Ramiro Silveira
2012 – “Os Sete Gatinhos” – direção: Miguel Hernandez
2011 – “Sonho de uma noite de verão” – direção: Ramiro Silveira
2011 – “Cristo Proclamado” – direção: Miguel Hernandez

2010 – “A Gaivota” – direção: Miguel Hernandez
2009 – “Sinfonia” – direção: Kleber Mazziero
2003 – “Faz de conta que é assim” – Marcos Alexandre de Melo

2002 – “Adolescentes” – direção: Marcos Alexandre de Melo
2002 – “Engano” – direção: Marcos Alexandre de Melo

Aptidões:

> Esportes: crossfit, yoga e ciclismo; Arte marcial: kung fu e boxe; Dança: ballet contemporâneo, jazz e sapateado; Canto popular (contralto) ; Instrumento musical: ukulele e violão.
Prêmios:

• 2021 - Indicada ao prêmio de Melhor Direção pelo curta-metragem “Santonino" no BIMIFF (Brazil International Monthly Independent Film Festival)

• 2021 - Finalista no prêmio Melhor Direção pelo curta-metragem “Santonino" no Best Director Award em Londres

• 2021 - Prêmio de Melhor Roteiro Ficção (Jurí Popular) pelo curta-metragem “Santonino” no Festival Rota

• 2003 - Prêmio de Melhor atriz no “Arte e Criatividade” (Rede Pitágoras - MG) com a peça “Faz de conta que é assim”

Outros artistas relacionados